Encontro Brabo de gerações comemora dia das mães em Niterói

Encontro Brabo de Gerações no Horto do Barreto

A contadora de histórias Cristina Pizzotti comandou a nossa apresentação em homenagem ao dia das mães em Niterói-RJ. Realizada no Parque Palmir Silva (Horto do Barreto), a atividade teve como convidada especial a seresteira maratimba Zezé de Souza. Ao lado da Cristina e da Palhaça Primeira Dama, a artista recitou poemas e cantou em homenagem ao dia das mães. Participaram da atividade crianças, adultos e idosos.

A ação marcou o encerramento do Projeto Geração da Leitura, que contou com o apoio financeiro da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, que promoveu uma agenda de ações de promoção da leitura no Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo e atividades de troca cultural entre gerações em escolas do Rio.

Veja as fotos aqui.

Anúncios

Dançar sentado pode?

Encontro Brabo: jovens e idosos de Manguinhos

Encontro Brabo: jovens e idosos de Manguinhos

Pode! Pode dançar sentado. Especialmente se dançar sentado possa ser uma forma de fazer jovens, adultos e idosos brincarem como iguais, sem distinção de idade. Dançar sentado pode! A ideia fica ainda melhor se houver uma troca de energias que permita a todos saírem dessa roda mais felizes do que entraram, surpreendendo-se em vivenciar como pode ser simples escutar o outro e beber dessa água que é gente. Há várias formas de fazer isso e hoje descobrimos que a dança é uma delas. E sim, pode dançar sentado!

Esta reunião braba aconteceu na “gaiola” da ENSP. É a Sala do PASI – Programa de Atenção à Saúde do Idoso do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria. Além dos idosos de Manguinhos usuários do serviço de saúde, jovens alunos do Programa de Produção Cultural em Divulgação Científica do Museu da Vida.

Melissa Coelho contou histórias da Amazônia. Histórias que de alguma forma se relacionavam à dança, nosso elemento de integração da tarde. Em seguida, Carlos Bizarro e Leila Rasina falaram sobre promoção da saúde do idoso, e como atividades simples como dançar sentado, ou mesmo a brincadeira de tentar lembrar os detalhes das histórias contadas por Melissa podem fazer bem para a saúde.

Finalmente então chegou a hora da integração. Pela dança! Primeiramente todos sentados, e logo em seguida, todos em pé, dançando em pares. A brincadeira terminou com todos em roda celebrando o encontro. Na dança, Jovens e idosos brincaram, sorriram e sentiram como podemos ser iguais, apesar das diferenças. Errar era divertido e o que mais importava ali era uma troca de afetos, onde pelas expressões felizes no rostos, a imensa maioria dos 53 presentes saiu desse encontro mais feliz do que entrou.

Viva!

Melissa Coelho conta histórias da Amazônia

Melissa Coelho conta histórias da Amazônia

Esta foi mais uma atividade do Projeto Geração da Leitura tem como objetivo estimular o intercâmbio cultural entre idosos, visitantes e funcionários do Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo, realizando atividades artísticas e culturais, que permitam a construção da memória e a valorização da cultura e da história de vida dos idosos abrigados.

Para este projeto, o Coletivo Experimentalismo Brabo conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, permitindo a realização de atividades de troca cultural entre gerações em outros territórios, em atividades como esta, em Manguinhos.

BIBLIOGRAFIA BRABA DO DIA:

SALDANHA, Paula. As Amazônias. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

E por falar em saudade…

Cantora Núbia Santos

Cantora Núbia Santos

A cantora Núbia Santos foi a convidada desta edição do Encontro Brabo. Conhecida nas tradicionais rodas de seresta de Niterói e São Gonçalo, Núbia é uma das mais importantes figuras deste movimento cultural. Fortemente influenciada por Elza Soares, a cantora abrilhanta as noites da cidade há muitos anos, interpretando sambas e claro, com muitas canções românticas também! Neste encontro brabo super especial,  Núbia visitou a Escola Municipal Rotary , em Jardim Mirambi – São Gonçalo-RJ.

Cristina Pizzotti mais uma vez foi a nossa mestre de cerimônias e conduziu o evento com toda a leveza e simpatia que lhes são peculiares. Para abrilhantar ainda mais a tarde, Cristina fez a litura do livro “Saudade, uma história em sete dias”, escrito pelo argentino Claudio Hochman,  e ilustrado de João Vaz de Carvalho. A edição foi pulicado pela Editora Companhia das Letrinhas. Quem apresentou o livro para Cristina foi a sua amiga, contadora de histórias e bibliotecária Regina Abrunhosa.

Após a contação da história, a jornalista Cristina pediu licença para a promotora de leitura e fez uma entrevista com Núbia, que contou histórias sobre sua música e falou sobre arte e vida. A cantora deu uma palhinha à capela, interpretando as canções “Fascinação”, “Devagar com a louça” e “A rosas não falam”. A criançada fez várias perguntas e não conteve os risos, quando a cantora entoou algumas notas à moda de Elza Soares.

Cristina Pizzotti conta histórias na Escola Municipal Rotary

Cristina Pizzotti conta histórias na Escola Municipal Rotary

O Projeto Geração da Leitura tem como objetivo estimular o intercâmbio cultural entre idosos, visitantes e funcionários do Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo, realizando atividades artísticas e culturais, que permitam a construção da memória e a valorização da cultura e da história de vida dos idosos abrigados. Para este projeto, o Coletivo Experimentalismo Brabo conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, o que permite ainda a realização de atividades de troca cultural entre gerações em outros territórios.

BIBLIOGRAFIA BRABA DO DIA:

HOCHMAN, Claudio. Saudade: uma história em sete dias. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2013.

Contação de histórias sobre asilos e idosos no Espaço Casa Viva

Projeto Geração da Leitura

Projeto Geração da Leitura

O Coletivo Experimentalismo Brabo participou da Festa do Dia das Crianças no Espaço Casa Viva, em Manguinhos, Rio de Janeiro. A atividade se baseou nas ações do Ebrabo no Abrigo do Cristo Redentor, em São Gonçalo. A contadora de histórias Melissa Coelho fez a leitura do livro livro Guilherme Augusto Araújo Fernandes e de poesias de Cândido Portinari. Além disso, foi realizado uma espécie de “talk-show” com a Palhaça Primeira Dama, que atua no Abrigo do Cristo Redentor, em São Gonçalo. O evento provocou a reflexão sobre a valorização da história e da memória dos idosos no asilo, focando as questões tempo e memória.

Melissa levou ainda uma “”Sacola Mágica”, que guardava objetos antigos, como: fichas coloridas de ônibus, um gibi de 1975 dos PANTERAS, revistas de moda do mesmo ano, um pião de madeira de 1961 e fotografias de 1914 à 44. As artistas propuseram uma aproximação dos “universos” passado e presente,  trazendo à tona experiências das crianças com os pais, avós, e conhecidos.

Com a palavra, Melissa Coelho:

” As crianças  gostaram muito das fotografias, fazendo muitas comparações. Os tipos de penteados, as modas e hábitos antigos. Perguntaram muito sobre quem eram as pessoas retratadas, e como viviam. Lamentamos que o Nilson Medeiros não se sentiu bem e por isso não compareceu na atividade, para relatar suas vivências e ajudar nesse processo de trocas e reflexões.”

O Projeto Geração da Leitura tem como objetivo estimular o intercâmbio cultural entre idosos, visitantes e funcionários do Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo, realizando atividades artísticas e culturais, que permitam a construção da memória e a valorização da cultura e da história de vida dos idosos abrigados. Para este projeto, o Coletivo Experimentalismo Brabo conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro.

BIBLIOGRAFIA BRABA DO DIA:

Fox, Mem. Guilherme Araújo Fernandes. São Paulo: Brinque-Book, 2013.

CADERNO de Ilustrações Oficina Portinari. Rio de Janeiro: Rede CCAP, 2013.

Encontro Brabo entre Nilson Medeiros, morador do Abrigo do Cristo Redentor (São Gonçalo) e alunos de escola municipal em São Gonçalo.

Cristina Pizzorri conta uma das histórias de Simbá, o marujo!

Cristina Pizzorri conta uma das histórias de Simbá, o marujo!

Cristina Pizzotti, jornalista e contadora de histórias, foi a mestre de cerimônias em nosso primeiro encontro brabo de gerações realizado em uma escola. Foi um momento muito importante para o Experimentalismo Brabo, onde pela primeira vez levamos um idoso morador do Abrigo do Cristo Redentor (Nilson Medeiros) para ser protagonista de uma atividade cultural fora do abrigo, numa perspectiva de valorizar sua cultura e memória. A atividade foi realizada na Escola Municipal Darcy Ribeiro, em Vista Alegre, São Gonçalo.

As histórias de Simbá, o marujo, foram as escolhidas por Cristina para celebrar esta nobre ocasião. Cristina contou e encantou e de forma leve e divertida conseguiu fazer com que estas histórias pudessem ser a base para que as crianças e Nilson pudessem ter um agradável diálogo. Aproveitando-se de suas habilidades jornalísticas, Cristina fez uma espécie de talk-show, entrevistando Nilson e permitindo que as crianças pudessem fazer perguntas e comentários.

Nilson compartilhou um pouco de suas memórias, respondendo à perguntas sobre variedades e em certo momento histórias de vida e em dado momento foi “intimado” a fazer como Cristina e incorporar um contador de histórias:   “O senhor então poderia contar uma história?” – Disse um aluno.  E  Nilson, prontamente respondeu: “Claro!”: O convidado do dia contou a história de uma pescaria, em que um amigo pescador, só ficava com os peixes  menores e jogava os maiores de volta na água. Intrigado, Nilson perguntou o motivo e o amigo respondeu:  “É porque a frigideira que temos para fritar os  peixes é pequena”…

As crianças adoraram, o Nilson adorou, viva!

Cristina Pizzorri e Nilson Medeiros

Cristina Pizzorri e Nilson Medeiros

O Projeto Geração da Leitura tem como objetivo estimular o intercâmbio cultural entre idosos, visitantes e funcionários do Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo, realizando atividades artísticas e culturais, que permitam a construção da memória e a valorização da cultura e da história de vida dos idosos abrigados. Para este projeto, o Coletivo Experimentalismo Brabo conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, o que permite ainda a realização de atividades de troca cultural entre gerações em outros territórios.

BIBLIOGRAFIA BRABA DO DIA:

BARBIERI, Stela. Simbá, o marujo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

Profissionais do Nordeste conhecem a Geração da Leitura no Abrigo do Cristo Redentor

Não sabemos o que há… Se foi a notícia do ovo colorido, ou a esperança de ver Simbá! Só sei que lá nas terras do Nordeste alguma notícia chegou e uma turma boa nos visitou. Da Bahia vieram dois: o fonoaudiólogo Laercio Costa e a assistente Social Ana Cristina Carvalho. Da Paraíba, vejam só, que palhaçada: veio a estudante de terapia ocupacional e palhaça Natália Luiza, a Docinho do Grupo Palhasus, que aproveitou sua estadia no Ocupa Nise para conhecer o Projeto Geração da Leitura!  Os visitantes foram recebidos com muito garbo e elegância pela Lelê Vita, que com muita simpatia apresentou a casa para os visitantes, que logo se enturmaram e se atentaram para a escuta. Enquanto isso, Primeira Dama e Lelê Vita aproveitaram a ausência de Cristina Pizzotti e Camila Costa e foram contar histórias, do jeito delas. E não é que teve quem quisesse ouvir ?!?

BIBLIOGRAFIA BRABA:

OLIVEIRA, Nelson de. O terrível mistério da caixa. São Paulo: Beca, 2003.

MEDEIROS, Humberto; FERNANDES, Hélio de Almeida; MAFRA, Patrícia Henriques. Trabalhadores: as profissões do Brasil. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2008.

Um passeio brabo pela poesia popular em Pernambuco

Paulo Pereira e Leo Salo no Museu do Cordel

Eu, Leo Salo, escrevo em primeira pessoa desta vez. Foi  a forma mais honesta que encontrei para para fazer este registro aqui no blog brabo.

Na metodologia Ebrabo, a proposta é ter momentos de escuta, intervenção e expressão. Nesta perspectiva, o passeio brabo é o primeiro passo de atuação no território. Lembro (ou informo) ainda que somos um ponto de leitura itinerante, menos no sentido da literatura em si e mais no sentido de provocar a leitura de mundo e a leitura da própria história. A literatura propriamente dita, no entanto, é trabalhada no Projeto Geração da Leitura, com idosos do Abrigo do Cristo Redentor, em São Gonçalo, e algumas novas ideias têm surgido. Uma delas me fez pensar em fazer um laboratório em Pernambuco. Resolvi então fazer um passeio temático muito brabo “pela” poesia popular e pela literatura de cordel.

Precisamente na cidade de Caruaru-PE começa esta escuta e aprendizado sobre poesia popular. A primeira parte do passeio brabo foi no Museu do Cordel Olegário Fernandes , que fica na tradicional feira do Parque 18 de Maio, a Feira de Artesanato de Caruaru. O museu foi inaugurado em 1999 e homenageia o cordelista Olegário Fernandes da Silva, sendo atualmente dirigido pelo seu herdeiro, Olegário Filho.  Lá acontecem reuniões da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel. Trata-se de um espaço de resistência cultural bastante interessante. Trago vários folhetos de lá.

Lá conheci Paulo Pereira:  poeta, cantor, compositor, sapateiro e sabe lá Deus o que mais… Uma grande figura! Conhecer o Museu do Cordel por si só já é um grande presente, mas uma prosa amistosa com Paulo Pereira foi a cereja do bolo, sem dúvidas. Paulo sabe de cor uma infinidade de poesias e recitou uma boa meia dúzia delas, todas narrando algum aspecto relacionado à vida simples que se vive ou se vivia no interior do Nordeste.  Aprender com seus versos, foi uma experiência extraordinária, assim como foi ouvir sua história de vida e sobre um passado nem tão distante cronologicamente, onde ainda se dava para contação de histórias, proseadas, música e poesia um pouco mais de espaço em nosso mundão cada vez mais tarja preta.

A segunda parte deste passeio brabo, foi em Recife. Lá conheci o poeta e pesquisador Meca Moreno e a editora Aninha Ferraz, da Editora Coqueiro, que editou vários folhetos de cordel muito importantes.  Novamente tive acesso à diversos folhetos e novamente a honra de conhecer outra grande figura de bastante conhecimento sobre a poesia popular brasileira. Se em Caruaru, tive uma aula de sabedoria popular, o saber acadêmico agora era a pauta do meu passeio brabo. Pude aprender um monte de coisas que jamais imaginava sobre este rico universo. Novamente, uma prosa recheada com muita generosidade. Gratidão!

A intenção de fazer novas experimentações no Projeto Geração da Leitura e por conseguinte o início de um matutar sobre novas possibilidades brabas me levaram para esse passeio. Estas perspectivas se reforçam com as reflexões trazidas na bagagem. Da Editora Coqueiro, aliás, já está chegando uma novidade muito bacana por aí, principalmente pra que for curioso por saber historias do pessoal do Experimentalismo Brabo..

Pode aguardar, por gentileza!

Alegria à Vista – Disse Simbá, o Marujo! Os olhos deles ficaram com brilho de mar, “lindeza” de olhar.

DSCF3433

Simbá avistou a alegria e em forma de livro também veio participar do I Cortejo Brabo no Abrigo do Cristo Redentor. Tamanha foi a festa, que até o Palhaço da Lapa resolveu aparecer!

A brabeza musical do cortejo ficou por conta de Léo Gonzaga e Igor da Costa Santos, que foram recebidos por uma das moradoras do Abrigo do Cristo Redentor com o colar branco de boas vindas. Bonitos, garbosos e devidamente recepcionados, os músicos comandaram uma alegre caminhada cultural por todas as dependências da casa, cantando e brincando com idosos, visitantes e funcionários. O variado repertório incluiu desde marchinhas de carnaval à cantigas de roda, passando por Nelson Gonçalves e passinho… Passinho! No passinho, no passinho, no passinho…

Cristina Pizzotti se encarregou de cuidar de Simbá, nosso ilustre visitante, que em forma de livro ajudou a alegrar o cortejo. A contadora de histórias o apresentou para os visitantes do asilo e também para os idosos. Creio que Simbá deve ter feitos muitos novos amigos! Bom, pelo menos, ele conheceu algumas pessoas novas. Dizem que ele voltará no próximo cortejo.

Pelos corredores do asilo, algumas pessoas se arriscaram a falar sobre o real motivo da volta de Simbá ao asilo em Setembro. Durante uma contação de história, que Cristina realizou no refeitório da casa para aproximadamente 30 idosos e 20 visitantes, parece que algo mágico aconteceu. Simbá avistou um ovo colorido. Os idosos avistaram um ovo colorido.  Os visitantes avistaram um ovo colorido. Todos avistaram um ovo colorido!

Ovo colorido que conta histórias

Lelê Vita, curiosa, foi checar que história foi essa e ouviu com um estranho boato: trata-se de um ovo colorido que conta histórias…

A Primeira Dama soube da notícia e a Doutora Borboleta também. As duas prometeram não perder por nada o próximo Cortejo Brabo para presenciarem de perto esta curiosa novidade. E dizem… Bom, dizem… que por conta dessa estranha novidade é que Simbá voltará ao Abrigo do Cristo Redentor.

Simbá, entretanto,  mandou um recado. Mandou dizer que a Lelê Vita é muito formosa e que na próxima viagem ao asilo, além de ver o ovo contar histórias, “o alvo” da expedição será trazer para Lelê, tecidos novos… Ela poderá escolher o que quiser! Serão sedas e outros nobres tecidos para ela ficar cada dia mais formosa, garbosa… Ah, sim… também vai trazer pedras preciosas que farão a Primeira Dama ficar azul, de tanta vontade de comprar!

E você? Está curioso também? Vai perder essa? Dia 28 de setembro tem um novo cortejo no asilo, com música, literatura e palhaçaria. Experimenta!

BIBLIOGRAFIA BRABA:

BARBIERI, Stela. Simbá, o marujo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

O  Coletivo Experimentalismo Brabo agradece a visita do Professor e Mestre em Física  Thiago C. Lacerda.

——- o ——-

O Projeto Geração da Leitura tem como objetivo estimular o intercâmbio cultural entre idosos, visitantes e funcionários do Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo, realizando atividades artísticas e culturais, que permitam a construção da memória e a valorização da cultura e da história de vida dos idosos abrigados. Para este projeto, o Coletivo Experimentalismo Brabo conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro.

Passeio Brabo no asilo. Passeando pelas histórias…

Contação de histórias no asilo

Contação de histórias no asilo

Era para ser mais um passeio apenas. Este apenas não surge aqui com uma ideia de pouca importância, mas sim de uma proposta de atividade, que inicialmente tinha a previsão de ser apenas de escuta, de mapeamento de demandas, pra que apenas no cortejo do dia 31/08, fossem realizadas sessões de contação de histórias, agregadas à música e à brincação.

Entretanto, ao arriscar-se perambular pelo asilo com livros nas mãos, a curiosidade, a brincadeira, e por que não dizer, a estranheza de se ter “palhaços leitores”, ou “palhaços contadores” acabaram por permitir um campo fértil para que ouvir e contar histórias fosse algo totalmente natural. Em muitos casos lembranças dos idosos foram facilmente se confundindo com as narrativas contadas, mas nem sempre: por vezes só se lia, só se ouvia, ou mesmo só se brincava. Uma brincadeira alegre, lúdica e que permitia o diálogo e a interação com cada idoso ou visitante de maneira singular.

 
O Coletivo Experimentalismo Brabo recebeu ainda a visita de Ariana Campelo, a palhaça Arica, do Grupo Baguncitos, que por alguns anos visitou o Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo, ao lado de Leo Salo, Karen Guimarães e Rafaele Reis, que atualmente integram o Ebrabo. Com ela, o pequeno Téo, seu filho com o professor de biologia Rodrigo Adelson, que também atuou como palhaço no Abrigo. Também recebemos a importante visita das bibliotecárias Maria do Rosário (Biblioteca Nacional) e Andréia Fraguas (UFRJ).
 
O Projeto Geração da Leitura tem como objetivo estimular o intercâmbio cultural entre idosos, visitantes e funcionários do Abrigo do Cristo Redentor de São Gonçalo, realizando atividades artísticas e culturais, que permitam a construção da memória e a valorização da cultura e da história de vida dos idosos abrigados. Para este projeto, o Coletivo Experimentalismo Brabo conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro
 
Bibliotecárias conhecem as ações de promoção da leitura do Coletivo Experimentalismo Brabo

Bibliotecárias conhecem as ações de promoção da leitura no asilo

 
Veja mais fotos no Facebook.
     
 
BIBLIOGRAFIA BRABA DO DIA:
 
ALMEIDA, Theodora Maria Mendes de.  Quem Canta seus Males Espanta. São Paulo: Editora Caramelo,1998.
SOUZA, Ângela Leite de. Perto, bem perto do amor. Rio de Janeiro: Editora Ao Livro Técnico, 1998.
 

Ubirajara Rodrigues e Espaço Casa Viva doam exemplares do Caderno de Ilustrações Oficina Portinari para o Ebrabo

Leo Salo e Ubirajara Rodrigues

Leo Salo e Ubirajara Rodrigues

 

O Coletivo Experimentalismo Brabo agradece a Ubirajara Rodrigues pela doação de exemplares da obra Caderno de Ilustrações Oficina Portinari, para ajudar nas atividades do Abrigo do Cristo Redentor. A publicação é resultado de algumas das atividades práticas oferecidas na Oficina Portinari, que é ministrada por Ubirajara Rodrigues no Espaço Casa Viva, em Manguinhos. Por meio da arte, as crianças são convidadas a entender melhor o cotidiano do local onde vivem, bem como entender as relações entre arte, cultura e qualidade de vida.

Mais informações sobre o Caderno de Ilustrações Oficina Portinari neste link.